segunda-feira, 13 de abril de 2009

Se inveja matasse...

Ao observar o comportamento de algumas pessoas diante da vitória de Max no BBB9 cheguei a conclusão de que o brasileiro sofre de um mal preocupante, a inveja. Max foi altamente criticado por assumir uma postura firme durante o jogo e, mais ainda, por se vangloriar sim de suas conquistas em sua trajetória pré-BBB. Engraçado é que as pessoas se cobram tanto isso, sofrem tanto por ter auto-estima baixa, vão a psicólogos, e quando se deparam com alguém que acredita em seu potencial, que conseguiu vencer seus medos e desafios, as pessoas criticam.

É chato ver o outro vencendo na vida não é? É mais legal ver alguém sofrendo, ou se fingindo de coitadinho. O brasileiro prefere sentir pena de um coitadinho do que vibrar com a conquista individual do outro. Incomoda ver o outro conseguir o que queria, alcançar seus objetivos, e pior, vibrar e bater no peito dizendo “eu venci!”. O resultado disso é a campanha que, principalmente os chamados Anistas (seguidores da coitadinha Ana Carolina) seguem fazendo. Eles se dizem revoltados com a vitória de Max. Mas a pergunta que não quer calar é: por quê?

Porque o Max é um camarada que burlou a condição real de coitadinho (visto que já passou por muito perrengue na vida, prova disso é o estado da casa da mãe dele, coisa que ele nunca usou pra angariar votos a favor), conseguiu vencer seus medos, seus traumas e decidiu ganhar a vida fazendo o que sempre gostou de fazer, ou seja arte?

Porque ele foi homem o suficiente pra dizer que não entrou no programa pra brincadeira, que se preparou, que se prontificou a jogar sim, a jogar limpo, a se manter na dele, a não criar situações que o prejudicassem no jogo, a ser fiel a seus ideais fora da casa, sem passar por cima de seu ninguém para isso?

Porque viveu um relacionamento dentro da casa que passou por todos os estágios possíveis de serem vividos, a paquera, a conquista, as brigas, as pazes, a concretização do relacionamento, o amor recíproco, fortalecido a cada conversa séria e a cada declaração de amor?

Porque se permitiu ser o que é, um camarada brincalhão quando está no clima de brincadeira, ou um camarada sério, quando isso se faz necessário? Por encontrar sua alma-gêmea, uma mulher linda, brincalhona, carismática, sem maldade, sem papas na língua e capaz de fazer o Brasil inteiro clamar pelo amor dos benhês?

Porque não se incomodou com as alfinetadas ou desconfianças das pessoas ali dentro, por saber relevar o que não lhe atingia, por ensinar isso a Fran, por mostrá-la que não havia necessidade de tanto ciúmes, que ele era dela, só dela, por respeitar o espaço dela, suas dúvidas e incertezas, por cobrar dela atitudes que ela gostaria que ele tivesse, por ser um cara bem resolvido no quesito relacionamento, por amar, POR AMAR?

Quer dizer que é por isso a revolta? Um camarada capaz de fazer tudo isso não merece ganhar um milhão? E quem merece então? Uma filhinha de papai que nunca saiu de casa e acha que o mundo deve rodar em torno de suas vontades e carências? Que só sabe fazer caretas e agir como criança birrenta quando é contrariada? Que não foi adulta o suficiente para aceitar críticas construtivas sobre sua personalidade? Que prefere bater o pé e dizer “eu sou assim mesmo” invés de aceitar seus pontos negativos?

Pois eu, as meninas aqui do blog e muitas outras fãs defenderam, defendem e sempre defenderão a conquista de Max! Esse 1 milhão foi merecidíssimo! MAX É O CARA! É o símbolo do que o brasileiro deveria ser, ter. Auto-confiança não é e nunca será sinônimo de arrogância. Max nunca foi arrogante e se colocou na frente dos outros como certos ex-participantes se colocam, se acham. Para ele, quem ganhasse o programa, ganharia por ser merecedor e ele aceitaria de bom grado, seja quem fosse, inclusive a Ana.

Se o público quis assim, assim foi e assim será. Prova disso é que hoje Max e Fran são o casal mais amado do Brasil. Foi emocionante viver a trajetória deles. Vibrar com o relacionamento que se mostrava cada vez mais sólido. Se irritar com as insinuações dos participantes de que não era real, que não ia dar certo (mais um sintoma do mal da inveja). É lindo vê-los juntos. É confortante ver que as más línguas não conseguem interferir no amor dos dois. É bom demais ser fã MAXINE. E é melhor ainda poder falar isso pra vocês. Valeu...

3 comentários:

Mai Gonçalves disse...

Assino embaixo!!

Letícia disse...

Texto perfeito... Concordo com tudo!!!!

k-rol_rosario disse...

Nossa vc falou td a inveja é a pior coisa que existe.
ADOREI A PARTE QUE VC FALA DO RELACIONAMENTO DELES ATÉ CHOREI ELES SÃO D++++++, ESTOU TORCENDO JUNTO C/ VCS PELA FELICIDADE DELES.